A História do Marketing Político

A história do marketing político e sua evolução

Embora os cases do marketing político sejam recentes, a história do marketing político remonta à Roma antiga e veio evoluindo com o passar do tempo, até chegar a seu estado de hoje, onde o marketing político nas redes sociais domina o cenário eleitoral.

Embora hoje em dia tudo pareça muito midiático nas campanhas eleitorais, a verdade é que a história do marketing político parece ter nascido com a própria liderança política em si. De que adianta ser um ótimo líder se ninguém sabe disso?

O general Júlio Cesar chegava a Roma após suas batalhas, em o que ficou conhecido como Triunfo, um desfile militar organizado a mando dele próprio e de seus partidários para enaltecer as realizações do grande guerreiro, que depois, se transformou em Imperador.

O que era o Triunfo além de um mega evento de marketing político? Os faraós do antigo Egito construíram pirâmides gigantescas também para mostrar seu poderio e divulgar suas realizações. Isso não é marketing político?

Recuando ainda mais no tempo, na antiga Grécia, os políticos dedicavam horas sem fim à prática da arte da oratória, para exercitarem seus dons e assim convencerem seus pares a apoiar seus pontos de vista.

A história do marketing político moderno

Sem a tecnologia com a qual contamos hoje em dia, o marketing político pouco evoluiu desde os primórdios da civilização moderna, mas a partir do início do século a história do marketing político iria dar uma guinada violenta.

Se fizermos uma análise comparativa, veremos que a história do marketing político moderno está intimamente ligada à evolução tecnológica.

Quando Guglielmo Marconi inventou o rádio, pensava basicamente na comunicação entre embarcações, mas com a evolução, os políticos também encontraram uma ótima utilidade para essa máquina.

Mussolini em 1925, foi um dos primeiros políticos a usar o rádio para mobilização das massas. Franklin D. Roosevelt também lançou mão do rádio em 1933 e Hitler fez dele o principal canal para sua ascensão ao poder na Alemanha.

Aqui no Brasil, Getúlio Vargas, na década de 30, também lançou mão do rádio como ferramenta de marketing político.

Até aqui, o marketing político tinha apenas agregado a tecnologia ao seu instrumental, mas a partir da década de cinquenta, o que mudaria seria o conceito da comunicação política.

A grande virada na história do marketing político moderno

A História do Marketing PolíticoDurante muito tempo o marketing político foi baseado no carisma pessoal mas em 1952 esse posicionamento teve uma virada radical quando o então candidato à presidência dos Estados Unidos, o general Dwight Eisenhower decidiu contratar a agência publicitária BBDO para trabalhar sua imagem durante a campanha eleitoral.

Neste ponto o candidato passou a ser tratado como um produto e não apenas como uma pessoa de imenso carisma. A função da BBDO era redirecionar a projeção que Eisenhower havia conseguido durante o período da Segunda Grande Guerra, para a figura do administrador eficiente.

Além disso, a BBDO tinha também o desafio de moldar a linguagem do candidato para as inserções de rádio e TV, dois canais que começavam a desempenhar um papel decisivo nas campanhas presidenciais americanas.

Desse ponto em diante a história do marketing político moderno ganhou novos contornos e passou a ser o palco de campanhas muito bem estruturadas com o apoio maciço do rádio e TV, até a chegada das redes sociais que causaram uma nova revolução.

A mudança causada pela redes sociais

A última grande mudança no marketing político veio com as redes sociais e tem como ponto de referência a campanha de Barack Obama em 2008. Os marketeiros de Obama, Jason Ralston e Ben Self, perceberam o incrível potencial que existia nas mídias sociais e partiram para elas.

Muita gente acredita que Obama ganhou suas últimas eleições por causa das mídias sociais. Essa é uma visão distorcida dos fatos, pois como já tivemos a chance de comentar aqui no Eleitor Online, mídias sociais não elegem ninguém.

A grande sacada da equipe de Obama foi trazer a militância digital, que naquela época já era grande, para o ambiente físico. A macro estratégia adotada foi criar laços de relacionamento, uma das principais funções do marketing político nas redes sociais, e convidar as pessoas engajadas, para a participação física nos escritórios eleitorais e no seu próprio dia a dia.

Publicado originalmente no portal Eleitor Online

Artigos Relacionados

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

Marketing Político

Redes Sociais Sozinhas Não Elegem Ninguém

Redes sociais sozinhas não elegem ninguém mas ajudam na campanha É isso ai mesmo. As redes sociais não elegem ninguém. Se você ouviu dizer que...

Mais Lidos em Marketing Político

Últimas Publicações

Buscar no Site